quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Autárquicas em Almada: Notícias da Lusa.

Autárquicas/Almada:
BE quer escolas abertas à comunidade para "fomentar participação cívica e política"


Almada, Setúbal, 07 Out (Lusa) – A candidata do BE a Almada, Helena Oliveira, afirmou hoje que “é preciso abrir as escolas do concelho à comunidade para rentabilizar os espaços, fomentando a participação cívica e política e a vontade de aprender”.

“As escolas têm que ser um sítio onde as pessoas podem reunir-se, discutir, aprender e participar”, afirmou à Lusa Helena Oliveira, durante uma acção de rua na freguesia do Feijó, em Almada.

Para a candidata bloquista, “há vários problemas na educação que é preciso resolver”: “O preço das refeições nas escolas públicas é superior ao que algumas famílias estão em condições de pagar e a rede pública de pré-escolar é muito inferior às necessidades do Concelho, por exemplo”, afirmou.

“Tem que ser a autarquia a arranjar forma de equilibrar os preços, diferenciando-os, e fazendo com que as famílias mais carenciadas não precisem de mandar os seus filhos para a escola com um lanche a mais na mochila para substituir o almoço”, argumentou.

“Quem assegura o pré-escolar no Concelho é o privado, que existe a preços acessíveis porque muitos dos infantários são da Santa Casa e das paróquias, que a Câmara sustenta com chorudos subsídios. É preciso que o Município seja capaz de se autonomizar”, acrescentou.

Helena Oliveira considera ainda importante que “se criem, em todas as freguesias do Concelho, pólos da biblioteca municipal”.

Apesar das críticas, a candidata considera “demagogia dizer que o investimento em educação não foi prioritário para a actual gestão CDU”, sublinhando, porém, que “importa perguntar por que é que, estando a construção das nove escolas agora inauguradas planeada desde o início do mandato, elas apenas entram em funcionamento no último ano e a um mês das eleições”.

“Isto é claramente uma medida eleitoralista”, defendeu, dando o exemplo da escola primária que frequentou, a número dois de Almada, que, afirmou, “foi demolida e construída de novo durante os três meses de férias escolares”.

Helena Oliveira pretende, nestas eleições, “derrotar todas as maiorias absolutas em Almada”, afirmando que “o Bloco não pretende fazer nada, promete apenas trabalhar com as pessoas, para as pessoas”.

O Bloco de Esquerda foi a quarta força política em Almada nas autárquicas de 2005, com 7, 03 por cento dos votos, contra 42,33 por cento da CDU.

JYF.

Lusa/fim

------

Almada, Setúbal, 07 Out (Lusa) - Os candidatos do PS e do BE À Câmara de Almada acusaram o vice-presidente da autarquia, José Gonçalves (CDU), de ser o "verdadeiro candidato da CDU”, em substituição da presidente, Emília de Sousa.

Na terça-feira à noite, foi José Gonçalves que esteve em representação da candidatura comunista, algo que motivou a polémica por parte de Paulo Pedroso (PS) e Helena Oliveira (BE).

Para Paulo Pedroso, José Gonçalves é “o homem por detrás do biombo da CDU, que é a actual presidente da câmara e recandidata”: “Maria Emília de Sousa acha que a Câmara é do partido”, afirmou.

O candidato socialista tinha já havia afirmado, em declarações à Lusa, que “a candidata da CDU não levaria o mandato até ao fim”, acusação que a actual presidente rejeitou.

A candidata bloquista é da mesma opinião: “Saúdo especialmente o vereador José Gonçalves porque já tive oportunidade de debater com todos os outros”, afirmou.

Em reacção a estas declarações, o representante da CDU no debate defendeu que “qualquer elemento da Câmara representaria bem a candidata" porque existe "um trabalho colectivo" onde não se "personaliza projectos”.

“A nossa candidata à Câmara é Maria Emília de Sousa e dizer o contrário é lançar poeira para os olhos dos eleitores”, acrescentou.

O debate “Que cidade queremos? As grandes linhas estratégicas”, organizado pelo bar Acercadanoite, em Almada Velha, que juntou os candidatos do PS, BE, CDS-PP, PSD e CDU, contou com a presença de cerca de 100 pessoas.

SYC/JYF.

Lusa/fim

---------

Autárquicas/Almada: Oposição quer mais "ambição e ousadia" no turismo e na cultura.


Almada, Setúbal, 07 Out (Lusa) – Os candidatos da oposição à Câmara de Almada (CDU) defenderam, durante um debate na zona histórica da cidade, “uma Almada mais ambiciosa e mais ousada no turismo e na cultura”.

Para o candidato do CDS-PP, Fernando da Pena, “Almada tem condições para se afirmar internacionalmente no turismo e na cultura mas precisa de sofisticação”: “Não podemos ser empurrados para casa ou para o centro comercial, precisamos de reconquistar os centro da cidade”.

“Não podemos ir mais além só com construções e estradas, e estradas e construções”, acrescentou, defendendo que “Almada precisa de olhar para o seu património e para a sua paisagem, que tem desprezado e parar de enxotar tudo para o Governo”.

O candidato social-democrata, Jorge Pedroso de Almeida, considerou que “há falta de ambição neste executivo”, que acusou de “ter dificuldade em se aproximar das instituições, dos agentes culturais, das associações e das entidades privadas e e estabelecer parcerias”.

“Preconizamos uma Almada sofisticada. É fundamental que o envolvimento da autarquia não se esgote na atribuição de subsídios e entendemos que a acção cultural deve estar acima das opções partidárias, e chegar a todos”, acrescentou.

Para o candidato do PS, Paulo Pedroso, “importa ligar a cultura à animação da cidade”: “Ter uma Costa da Caparica com gente 12 meses por ano, quer chova ou faça sol, trazer para Almada a Companhia Nacional de Bailado, criar aqui uma escola de artes performativas e do espectáculo e animar as ruas”, afirmou.

O candidato prometeu ainda trazer para a Costa da Caparica “uma dos grandes festivais de Verão”.

Já o representante da CDU, José Gonçalves, defendeu o projecto de 22 anos desta gestão, argumentando que “a autarquia não tem uma visão dirigista da cultura, apoiando as iniciativas das instituições e das pessoas de uma forma não elitista”.

“Temos uma cultura de todos, uma cultura aberta e diversificada. Temos a consciência de que Almada é já um grande centro cultural internacional”, disse.

Para a candidata do Bloco, “a solução é apoiar a cultura nas 11 freguesias do Concelho através das associações e colectividades que têm dificuldades em renovar-se, em manter-se e em fazer vingar projectos”.

“É preciso apoiar dinamizando, incentivando, motivando, com regras claras e prestando contas sobre o dinheiro atribuído”, acrescentou, sublinhando que “a atribuição de subsídios e apoios tem que estar regulamentada para que se possa prestar contas do dinheiro que se recebe”.

“E é preciso”, defendeu, “levar para a rua o trabalho das associações e mostrá-lo às pessoas, que já mostraram que querem sair”: “Tudo para a rua!”, afirmou.

O debate “Que cidade queremos? As grandes linhas estratégicas”, organizado pelo bar Acercadanoite, em Almada Velha, que juntou os candidatos do PS, BE, CDS-PP, PSD e CDU, contou com a presença de cerca de 100 pessoas.

SYC/JYF.

Lusa/fim

11 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez, ermelinda, saúdo a sua capacidade de reconhecer mérito mesmo nos adversários políticos.
Transcrever aqui os textos da LUSA com opiniões favoráveis aos adversários do BE é prova provada da sua seriedade.
Parabens pela sua isenção.
E desejo ardentemente que , se não ganhar a Junta de Cacilhas, se torne indispensável no executivo para lhe dar qualidade e rigor... o que tem faltado.

Liberdade disse...

A Minda tem demonstrado que é uma verdadeira democrata e que sabe distinguir a "estratégia" da "táctica" política.

Por isso a Minda tem a capacidade para reconhecer que mesmo não sendo do seu partido é o paulo Pedroso que tem condições para derrotar a CDU/PCP e devolver a esperança a Almada.

Casimiro disse...

Caro Anónimo das 10:03
A Minda também vai estar na Assembleia Municipal, pois é a candidata nº 2 do BE à AM, o que significa que "a qualidade e o rigor", também vão chegar à Assembleia Municipal.

BabySuicida disse...

O mesmo não posso dizer de Helena Oliveira.

Minda, porque razão o BE fez tão má escolha para nº 1 à CMA?

Opção?
Se assim foi, Louçã deveria estar distraído.
Ou talvez não, já que HO é, a nível local, o mesmo que FL é a nível nacional.

Um anti PS puro sem discernimento e que não quer o bem do País.

Casimiro disse...

ó BabySuicida,

Tenha lá calma que ela(HO) ainda vai compreender.
De quaquer forma o Paulo Pedroso é a esquerda do PS, e o PS aqui de Almada não será tão de esquerda como ele, a não ser que se tenha convertido.
Vamos lá ver se este PS não virá a envergonhá-lo.
Apesar de eu ir votar BE, logo HO, também espero que o Paulo Pedroso ganhe a CMA.
E não se esqueça que a Minda também vai estar na Assembleia Municipal.

Minda disse...

Anónimo, de 8-10, pelas 10:03

Muito obrigada pelas suas palavras. Não posso deixar de ficar sensibilizada.

O trabalho autárquico é, de facto, a minha grande paixão (só comparável ao meu interesse pela actividade cultural), sobretudo a gestão de recursos humanos e a participação nos órgãos colegiais. Por isso, me empenho com tanto gosto nestas questões de política local.

Quanto a ganhar a JFC tenho plena consciência de que, nesta data, esse é um objectivo impensável, apesar de saber que teria competência técnica adequada ao desempenho do cargo. Fico grata pela sua confiança.

Mas, mesmo ficando-me apenas pela Assembleia de Freguesia, sei que o BE irá marcar a diferença como já o fez no actual mandato, do qual sempre prestei contas públicas aos eleitores passo a passo (basta consultar o blogue “Fazer Melhor Por Cacilhas” – http://be-cacilhas.blogspot.com onde se encontra arquivada toda a documentação produzida aos longo destes quatro anos).

Minda disse...

Liberdade:

Costumo dizer que sou mais técnica do que política e que estou nestas andanças porque adoro o trabalho autárquico.

E o ter praticado xadrez na minha juventude durante muitos anos, proporcionou-me uma capacidade de observação estratégica que gosto de aplicar na minha vida quotidiana… isto, aliado aos sólidos princípios éticos que me foram transmitidos pelos meus pais e avós, faz com que consiga não confundir as coisas: posso perfeitamente admirar as qualidades de um adversário e criticar o comportamento de um camarada sem com isso estar a desrespeitar ninguém nem tão pouco quebrar qualquer regra de solidariedade/obediência partidária.

Minda disse...

Casimiro:

Sinceramente não sei o que deu a todos vocês para, de repente, me virem tecer tantos elogios. Estão a deixar-me sem jeito. Mas, também, muito vaidosa (melhor dizendo, orgulhosa), confesso. Obrigada!

Tenho muito brio na minha profissão e na capacidade técnica para desenvolver um bom trabalho a nível autárquico. Adoro a política autárquica e sinto verdadeiro prazer em estudar estas matérias. E sem falsas modéstias, mas com muito orgulho, acho que posso dar um contributo muito válido nesta área.

Minda disse...

Baby:

Não vamos confundir as coisas, peço-lhe.

A HO é uma excelente autarca. Mulher de fibra e com uma capacidade de trabalho extraordinária. Foi a nossa escolha em Almada e eu dou-lhe todo o meu apoio. Aliás, conseguimos trabalhar as duas, em equipa, muito bem e isso é que é importante… sem menosprezar a importância de cada uma de nós individualmente, o certo é que uma equipa alargada, coesa e participativa, é a essência que se esconde por detrás da força do nosso trabalho de grupo.

Não há no seio do BE nenhum antagonismo ao PS. Haverá, admito-o, alguma intransigência no que se refere à aplicação de certas medidas socialistas que consideramos de direita.

E quando se misturam princípios políticos com atitudes pessoais e se confunde o âmbito nacional com o local, nem sempre as relações inter-partidárias se desenvolvem com a harmonia necessária à prossecução dos interesses da população almadense. (e isto serve tanto para o BE como para o PS ou para qualquer outra força política).

BabySuicida disse...

Compreendo a sua opinião e respeito-a como é meu dever.
Mantenho, apesar disso, a minha opinião.
O desejo do BE é derrotar o PS e não a CDU.
Isso ficou claro e continua claro.
E porque em Almada é imprescindível que se derrote a CDU não vejo adequada a forma de intervir como que festejando a derrota do PS.

Que fique bem claro que desejo um bom resultado para o BE mas, admitamo-lo, para correr com a CDU só o PS.

Minda disse...

Baby:

Cada qual fica na sua e ambas ficamos bem, pois não é caso para nos aborrecermos.

Embora dê ênfase à derrota da maioria absoluta da CDU, o BE não deseja derrotar o PS (aliás, nem podia, já que em Almada o PS não está no governo autárquico). Os seus objectivos são simples: eleger uma vereadora, aumentar o reforço nos órgãos deliberativos do concelho (no município e nas freguesias) e contribuir para que não existam mais maiorias absolutas em Almada, venham elas de onde vierem.

Eu, e esta é a minha opinião pessoal, acho que é preciso ir mais longe e pedir aos eleitores que derrotem a CDU para que o PCP possa fazer uma cura de oposição.

E concordo consigo, para correr com a CDU só mesmo o PS. Espero que Paulo Pedroso consiga vencer este grande desafio. Almada merece.

Related Posts with Thumbnails