quinta-feira, 9 de junho de 2011

Dá mesmo que pensar!


Por Alexandre Abreu
(do blogue: Ladrões de Bicicletas)



Democracia (mais ou menos) verdadeira

“Quase toda a gente sabe que os deputados à Assembleia da República são eleitos (como foram no Domingo passado) em listas distritais segundo o método dos quocientes de D’Hondt. Muita gente sabe também que o método D’Hondt tende a favorecer os partidos maiores em detrimento dos mais pequenos – os seus defensores argumentam que isso favorece a governabilidade. Menos apreciado, porém, é o facto do próprio carácter distrital das listas favorecer também os partidos maiores e prejudicar os mais pequenos – tendo, na verdade, um efeito de maior magnitude do que o próprio método D’Hondt.
Em combinação uma com a outra, estas duas características do nosso sistema eleitoral produzem resultados que se afastam substancialmente da proporcionalidade: com base nos resultados provisórios das eleições de Domingo (não tendo em conta os votos do estrangeiro nem os quatro deputados que por eles serão eleitos), observamos que, em média, cada deputado do PSD foi eleito com 20.436 votos (PS: 21.342) – ao mesmo tempo que os 62.496 votos no PCTP/MRPP ou os 57.641 no PAN não deram origem à eleição de qualquer deputado.
Dei-me ao trabalho de fazer as contas para verificar qual seria o número de deputados eleito por cada partido em três cenários alternativos: i) círculos distritais segundo o método D’Hondt (i.e. o sistema actual); ii) círculo único nacional, método D’Hondt; e iii) círculo único nacional, proporcionalidade estrita. Os resultados são os seguintes:


Não vou aqui alongar-me com juízos políticos em relação a qual destas alternativas deverá ser considerada preferível - nem em abstracto, nem em face da aplicação ao caso concreto destas eleições. Penso que a esquerda, com excepção talvez da que não alcançou representação parlamentar, tem seguramente tarefas mais importantes perante si e batalhas mais importantes a travar. Aprofundar a democracia passa por muitas outras coisas - e as mais importantes são de carácter substantivo e participativo (por oposição a formal e representativo). Ainda assim, como contributo para o debate acerca da abstenção ( e da alienação face aos mecanismos concretos da nossa democracia representativa que subjaz a essa abstenção), penso que não será despiciendo ter em conta que houve muitos milhares de eleitores pelo país fora (0s 20.435 votantes no BE em Braga ou os 16.884 votantes no PAN em Lisboa, para referir apenas os dois exemplos mais extremos) que se dirigiram às respectivas mesas de voto, votaram em consciência e, exclusivamente devido às características do sistema eleitoral, não contribuíram para eleger ninguém. Têm bons motivos para estarem chateados.”

14 comentários:

Nuno disse...

Temos o caso dos EUA onde o Bush também ganhou com menos votos que o AlGore.

Em Portugal começando pelos eleitores fantasma, muita coisa está mal. A maneira mais justa de dividir os deputados seria pela percentagem de votos de cada distrito em relação ao total de votos em vez da percentagem de eleitores nos cadernos (fantasmas ou não) em cada distrito.

Mais uma para incluir na revisão da constituição. Vamos ver o que fazem o Cavaco, o Fernando Nobre, o Passos e o Palinho das Feiras.

NB

Anónimo disse...

Hoje vem uma noticia no jornal da região como minimo curiosa?orçamento passa mas à justa,a ecalma foi uma decisão assumida pela Câmera de Almada,não podemos colocar as familias dos seus trabalhadores em causa,isto palavras da sr presidênte,e agora eu pergunto à sr presidente!será que a senhora quando criou a ecalma tambem estava preocupada com os trabalhadores do comercio que perderam os seus postos de tabalho,ou como diz o povo,para a sr uns são filhos da mãe e outros são filhos da P....?

Anónimo disse...

Ou será que os trabalhadores de ecalma votam PCP e os trabalhadores do comercio não?

soliveira disse...

Segundo a czarina, na aprovação tangencial do orçamento da ecalma,(orçamento aprovado à pressa antes que a troika...), a empresa não pode ser encerrada pois tem uma função social. FUNÇÃO SOCIAL
Verdade, conheço muita gente com reformas de €600 que contribuiram com mais de uma centena num só dia para reaverem o veículo que fez a visita social ás instalações da ecalama.
É a verdadeira doutrina social da czarina.
FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA ecalma !!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Vergonhosa declaração, uma mas, da autista Emilia, em relação a que se a ECALMA termina, vão 68 trabalhadores à rua, trabalhadores pagos com os nossos impostos, já que a ECALMA é deficitaria, outra das muitas que tem esta câmara, e deve ser mantida com dinheiro de dita câmara.

Lembro-lhe que, desde ou inicio dás obras do MST que em Almada Centro fecharam cerca de 240 lojas e ficaram sem emprego cerca de 740 trabalhadores.

Oxala que termine a praga desta pseudo empresa que nada resolve e se recuperem os 740 postos de trabalho, que não são pagos com os impostos do cidadão.

Anónimo disse...

Esta mulher, a Emilia, ainda não sabe quais são os verdadeiros responsáveis pela ruína da economia portuguesa. Um dos principais é a quantidade de empresas que não geram riqueza ( só a quatro ) nem são uma mas valia para o cidadão e queimam imenso dinheiro do contribuinte

Anónimo disse...

A Ecalma é mais um "saco azul" e agência de emprego do PCP em Almada!

Anónimo disse...

240 lojas que geram riqueza, pagam impostos e dão vida e alegria à cidade.

740 trabalhadores que não chupan dinheiro do contribuinte e que consomem em Almada.

Anónimo disse...

Viva Coreia do Norte, a sua miséria, as suas ruas mortas,a tristeza do povo e as suas obras faraonicas para o inglês ver.

Anónimo disse...

Para não falar de outra ruína emiliniana, o MST, outro dos motivos da ruína deste pais.

Anónimo disse...

As empresas e agências municipais só servem para dar emprego aos amigos e camaradas do PCP! Torram o nosso dinheiro e não produzem nada! Falem-lhes em trabalho e vão ver!

EMALMADA disse...

Resumindo e concluindo:
É uma vergonha e ofensa à democracia esta Câmara Municipal almadense pelas práticas e conceitos que tem da gestão democrática e do execrcício da democracia.
Estava-se a ver no que dava a ECalma: centro de emprego (mais um) criado pela Câmara e pela presidente para satisfazer a clientela e angarição de votos ( mais agora com este choradinho das famílias) se essa inutilidade Ecalma acaba.
Parece que andam continuamente a estorquir o contribuinte.
Em tudo iguais, os comunistas falsos, aos que apelidam de capitalistas.

Mas neste processo todo, a oposição em Almada também tem culpas e muito sérias no cartório já que não tem tido coragem para denunciar publicamente os golpes da CMA/PCP/CDU e defender os interesses de Almada e dos almadenses, nem tem tido engenho para se apresentar determinada a banir a actual gestão municipal.

assim se vê disse...

Mas foi o menino Matias que deixou passar o orçamento. AiAIAIAI menino matias que a madrinha lhe fazia a folha e o padrinho o pedroso de almeida do PSD amiguinho da emiliaaiaiai

Helena de Brito disse...

É uma vergonha vê-los em grupinhos a multar uns e outros não, até há comerciantes que têm carro á porta 10 horas por dia,(sem uma multazinha, em pleno espaço "proibido estacionar/proibído parar") e ver os coitadinhos dos trabalhadores da Ecalma a entrar nas lojinhas a trazer a "prendinha" para verem mal umas vezes e outras nâo. TODOS VÊEM, NINGUEM DIZ NADA...

Related Posts with Thumbnails