sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Poesia do norte


Amanhã vou até Vila Nova de Gaia. Para assistir ao lançamento do livro do meu amigo Fernando Morais, no qual tive a honra de participar com um poema, também.
Aproveito e informo que o Convite é extensível a quantos tiverem oportunidade de passar pela Biblioteca Municipal de Gaia, pelas 16h... Se gostam de poesia, não percam... ela vai fluir!

(clique na imagem para ler)

Vai ser um êxito, estou certa disso. E quando regressar darei notícia de como decorreu o evento e, como não podia deixar de ser, haverão muitas fotografias para ilustrar.
(clique na imagem para ler)
Termino, oferecendo-vos o poema intitulado "Amigos", inserido no livro Quadrar, que serve para ilustrar o sentimento (e que a capa tão bem reflecte) que une quantos se reuniram nesta obra (mesmo que entre si muitos não se conheçam) por amizade ao seu autor (que lhes dedica estas belas palavras e a todos nos emociona).

Bom fim-de-semana.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Uma preciosidade

Recebi hoje, por e-mail, o link para esta página que considero uma verdadeira preciosidade... nela podemos ouvir e recordar muitas das canções de Abril: Fausto, Zeca Afonso, Vitorino, Fanhais, Luís Cília, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho, José Mário Branco, e muitos, muitos mais. Vejam e, sobretudo, oiçam:

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Eclodir Azul




Tive a grata surpresa de os conhecer durante a festa das "Tasquinhas e Burricadas" de que vos falei nos artigos anteriores. E porque este é um projecto que transcende o âmbito musical da excelente actuação do grupo (que se identifica como sendo uma orquestra de percurssão), não posso deixar de lhes dar aqui o merecido destaque:

«Eclodir Azul é um Projecto sem fins lucrativos e com inscrição gratuita que pretende promover a inclusão de jovens num ambiente de harmonia e igualdade, transmitindo-lhes o civismo, a capacidade de convivência, o prazer, a paixão, a energia, a alegria e a vitalidade em tudo o que fazem.

O Projecto Eclodir Azul leva a música, gratuitamente, até às crianças, jovens, adultos e idosos, pondo de parte as diferenças culturais e criando oportunidades para os jovens fazerem novas amizades.

A Orquestra Eclodir Azul promove aprendizagem em grupo, num contexto multi-cultural e, também, multi-dimensional, de forma a aumentar a auto-estima dos jovens, sendo que o ensino de percussão é uma prática em que a Orquestra aposta fortemente para integrar a camada jovial nas actividades socioculturais.

Neste momento o Eclodir Azul está a trabalhar com mais de 150 alunos de quatro escolas (duas escolas secundárias e duas básicas) da freguesia de Loures.

O sucesso dos músicos deste Projecto é o sucesso do Projecto.»

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Ainda as burricadas

Depois da apresentação fotográfica animada que vos deixei ontem, escutem alguns videos (peço desculpa pela qualidade da imagem mas o som até escapa) com algumas actuações musicais:
"Eclodir Azul" (orquestra de percussão), Grupo de Cantares Alentejanos das Paivas e "Roncos do Diabo" (grupo de folk-music).





segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Burricadas

video

No passado domingo decorreram mais umas "burricadas" em Cacilhas. Aqui ficam algumas imagens da animação que encheu a Rua Cândido dos Reis.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

I Feira da Saúde e do Social

Começa hoje e vai até domingo. Esta é uma óptima sugestão de fim-de-semana. Venham até Santarém, visitem a feira, calcorreiem as ruas do núcleo urbano, descansem à sombra de uma frondosa árvore no Jardim do Castelo e/ou das “Portas do Sol”, na colina sobranceira ao Rio Tejo com uma magnífica vista sobre a lezíria ribatejana, e aventurem-se pelos saborosos paladares da gastronomia local. Decerto ficarão com vontade de voltar… Santarém tem este efeito mágico: deixa-nos com um nostálgico sentimento de saudade que nos faz desejar voltar a vê-la quanto antes.

A I Feira da Saúde e do Social «terá lugar no Centro Histórico de Santarém, nomeadamente no Largo do Seminário, Largo Padre Chiquito e Largo de Marvila/Praça Visconde Serra do Pilar, e contemplará três áreas distintas: animação, mostra de produtos e serviços, debate e informação.»

Organização
Programa
Notícias na imprensa local

Considerada a “capital do gótico”, Santarém tem muito que ver, não só a nível do património arquitectónico como, também, paisagístico e gastronómico…

Mapa Turístico
Visita Virtual

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

MaCacos... das ruas de Évora

Têm um nome, no mínimo, curioso: “Macacos das Ruas de Évora”, e que não deixa adivinhar do que se trata, muito pelo contrário, pode até induzir-nos em erro quanto à actividade a que se dedicam.

Quem me chamou a atenção para a sua existência foi a
YELLOWASTRONAUT e não fosse isso, ainda hoje desconhecia a sua existência.

Mas o que são, afinal, os “Macacos das Ruas de Évora”? São, imagine-se… um grupo de animação musical que faz da rua o seu palco privilegiado. Trata-se de uma singular “banda de rua”, multifacetada, multicultural e, sobretudo, extremamente versátil no seu reportório, que consegue conjugar duas vertentes aparentemente inconciliáveis: animação lúdica (com laivos de refinado humorismo) com uma excelente capacidade de improvisação musical, característica de um experiente agrupamento de jazz.

Este projecto, da autoria do músico norte-americano Gregg Moore, radicado no Alentejo, dedica-se à interpretação de músicas tradicionais portuguesas, grandes clássicos internacionais e obras comuns do jazz e do rythm'n'blues… um prazer para quem toca (e isso é visível no rosto dos intérpretes) e uma agradabilíssima surpresa para quem os ouve.
«Arranjos inventivos, tendo por base a música vinda de todo o mundo, interpretada com humor e expressão pessoal. Estes músicos, totalmente internacionais, formados nas universidades e conservatórios de França, Brasil, Inglaterra, Holanda, E.U.A., Itália e Portugal, trouxeram várias riquezas culturais e conhecimento valorizando este espectáculo onde: nenhum estilo de música está fora do alcance destes elementos. Com alguma regularidade eles compilam o seu repertório em datas e ocasiões específicas como: o Carnaval, o 25 de Abril ou o Natal. O seu aspecto 100% acústico e os seus “rabos felpudos” fazem de “Os Macacos” o grupo ideal para levar actuações musicais tanto nas grandes cidades como nas aldeias mais pequeninas do país.»

Sobre eles diz Viriato Teles:
«(...) Daquilo que fazem, Os Macacos dizem ser a música de câmara para o novo milénio e são bem capazes de ter razão. A esta banda não falta o humor, sempre de mãos dadas com a expressão pessoal de cada um dos seus músicos. Formados nas universidades e conservatórios de diversos lugares do mundo, de onde trouxeram diferentes experiências e conhecimentos, eles sabem que o segredo D’Os Macacos está na maneira como apostam numa forma diferente de fazer aquilo que todos já conhecem. O resultado é sempre uma surpresa, mas a coerência global do projecto e a energia que dele emana não deixam ninguém indiferente. E todos quantos já os viram tocar, sabem que não exagero: nas ruas do Alentejo ou da Beira, no Porto e em Évora, aqui e ali um pouco por todo o país, Os Macacos têm sido, mais do que uma revelação, um ponto de partida para a redescoberta daquilo que de mais saudável tem a música tradicional, conquistando a participação popular para a festa colectiva que é o seu oxigénio. (...)»

O seu primeiro álbum custa 12 euros e pode ser encomendado AQUI. E para finalizar, deixo-vos a capa do CD e a lista das músicas nele incluídas:

1. Festas da Minha Terra
2. Wintidansen
3. Laurinda
4. Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades
5. Sous les Ciel de Paris
6. Passarinho
7. Janko Partner
8. Dona
9. Os Vampiros
10. El Cumbanchero
11. Cibonae
12. Grândola, Vila Morena
13. Fiju, Fiju Kolo
14. Cantar de Emigração
15. Shyam
16. TangOver
17. Puladinha
18. Vit’tina Crozza
19. Senhora da Saúde.

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Monumentos e edifícios notáveis



Acabou de ser publicado o último volume da série Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, uma obra de referência no meio universitário nacional, a qual foi iniciada em 1963 com o objectivo de estudar (do ponto de vista histórico e arquitectónico) os principais monumentos implantados nos concelhos do distrito de Lisboa.

Este 5.º tomo do volume V, exclusivamente dedicado ao concelho de Lisboa, foi publicado pela Assembleia Distrital de Lisboa (ADL), em parceria com a Livros Horizonte, e abrange as seguintes freguesias: Alto do Pina, Beato, Marvila, Penha de França, Santa Maria dos Olivais, São João, São João de Deus e São Jorge de Arroios.

Maria Micaela Soares, José Joaquim Meco e Manuel Maia Ataíde (entretanto falecido), foram os responsáveis pela coordenação editorial e lideraram uma equipa de conceituados investigadores nacionais, autores dos textos: Fernando Castelo Branco Chaves, Irisalva Nunes Moita, José Joaquim Meco, Manuel Maia Ataíde, Miguel Conceição Soromenho e Vítor Veríssimo Serrão.

A colecção completa integra 10 livros (alguns já esgotados): volume 1 (Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja e Cadaval); volume 2 (Sintra, Oeiras e Cascais), volume 3 (Mafra, Loures e Vila Franca de Xira), volume 4 (Torres Vedras, Lourinhã e Sobral de Monte Agraço), volume 5 – repartido por cinco tomos (Lisboa) e nela pode encontrar uma panorâmica geral sobre o património edificado desta região do país, com excelentes índices ideográficos e toponímicos que ajudam na pesquisa geográfica dos sítios e/ou monumentos.

Nota: Os monumentos situados nos actuais municípios da Amadora e de Odivelas foram estudados mas, à data do seu estudo, faziam parte integrante de outros concelhos.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Estuários do Tejo e do Sado

Para quem aprecia fotografia e gosta das paisagens ribeirinhas, aqui fica uma óptima sugestão para o próximo fim-de-semana. (e podem sempre aproveitar o passeio pela linda cidade de Setúbal):
E se o tema vos interessa, podem inscrever-se para a workshop e a visita guiada:


segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Uma visita que recomendo

MUSEU DE SANTA MARIA DE LAMAS

«Situado na Freguesia de Santa Maria de Lamas, o Museu foi fundado na década de 50 por Henrique Alves de Amorim (1902-1977). Este dedicou grande parte da sua vida ao desenvolvimento de Santa Maria de Lamas, obra pela qual lhe foi atribuída a Comenda de Oficial da Ordem de Instrução Publica em 1952.»

«Doou o Museu à Casa do Povo da Freguesia, que ainda o tutela.»

«Entre os bens doados encontrava-se um edifico destinado a Museu, com todo o seu recheio, sito no lugar do Souto, de Santa Maria de Lamas, ao fundo do Parque, conforme consta na escritura de Doação.»

«O Museu é constituído por diferentes colecções, protegidas por um edifício que se caracteriza, no exterior, pela integração de elementos arquitectónicos como o torreão cilíndrico e ameado dos jardins e, no interior, por uma capela e uma estrutura de três alas em “U”, provida de arcadas à laia de Claustro.»

«As colecções, formadas por um espólio variado, criam um espaço museológico algo curioso. Assim, numa mesma sala podem ser apreciadas as mais variadas obras de arte expostas sem aparente ligação técnica, temática ou cronológica. Aí está a particularidade do MSML – nesta aparente falta de lógica, existe precisamente uma “lógica” de um lugar que quer ser visto como um todo e não como um abrigo a peças particularizadas.»

«Esta tipologia de Museus tem a sua origem nos Gabinetes de Curiosidades dos séculos XV e XVI. Também outros Museus no Mundo, como o Soane’s Museum em Londres ou o Museu da Universidade de Oxford, ainda apresentam as suas colecções expostas na sua aparente desorganização e caos. Percorrendo as 16 salas que constituem o Museu, surge um grande espólio que pode ser dividido nas seguintes colecções: Arte Sacra, Imaginária, Talha, Pintura, Mobiliário Litúrgico, Castiçais, Vestes litúrgicas, Etnografia, Ciências Naturais, Estatuária, Cortiça, Cerâmica, Iconografia do Fundador, Mobiliário, Numismática, Medalhística e Curiosidades.»

Texto e slide-show retirados DAQUI
Álbuns de Fotografias do Museu

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Dependências



Estou mesmo a ficar doente… blogodependente e cafeinodependente.
Alguém conhece a solução para esta desgraça?
Mas, bem vistas as coisas, eu não me quero curar! Por isso, a blogosfera e o café, vão continuar a ser os meus vícios (além do da leitura - esse é uma dependência a 100%).

Bom Fim-de-Semana. (que eu vou "curtir" as minhas dependências!!)

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Rabih Abou-Khalil

Foto: tirada DAQUI.

Não sei se já aqui vos disse que gosto muito (muito mesmo!) de jazz, sobretudo instrumental.

E que aprecio imenso música árabe (desde a sonoridade da língua ao estilo musical - com destaque para o raï, até ao som dos instrumentos típicos, como é o caso do alaúde, por exemplo).

Por isso, trago-vos hoje aqui um dos músicos que mais aprecio: o libanês Rabih Abou-Khalil, um compositor e instrumentista natural de Beirute que conjuga, de forma magistral, a música clássica árabe com diversos outros géneros numa abordagem ousada e que funde, em total harmonia, tradição e inovação.

Deixo-vos o vídeo «Ma Muse M'amuse»:


E o link para a apresentação do álbum «IL SOSPIRO», do qual destaco as faixas «La Séduction: Arouss Labneh» e «The Birthday Gift»:


Termino com a ligação para a página da discografia de Rabih Abou-Khalil. São pequeníssimos excertos, é certo, mas que dão uma apreciável panorâmica da obra deste excelente músico. Espero que o apreciem tanto quanto eu... a boa música não tem fronteiras.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Almada Turismo: sejam bem-vindos!



Em 18/06/2007, escrevi um texto subordinado ao tema que dá título à conversa de hoje.

E volto a este assunto por, ao regressar de férias na passada segunda-feira, ter constatado que, finalmente, a CMA fizera algo pelo turismo em Cacilhas...:
Colocação de várias bandeiras multicolores e a palavra "Bem-Vindo" em três línguas, no Largo Alfredo Dinis, mesmo em frente à saída do cais da Transtejo… (estão a rir-se? isto parece anedota? enfim... uma tristeza é o que é!!).

No entanto, o quiosque que, supostamente, seria para divulgar informação turística (segundo informação fornecida pelo presidente do executivo da respectiva junta na última reunião da assembleia de freguesia) encontra-se montado há cerca de dois meses mas nunca funcionou.

E o ambiente no local continua a dar uma imagem degradante do nosso concelho mas, também, da negligência e/ou ineficácia da gestão autárquica ao nível da limpeza urbana e da conservação do património…




Vejam as fotografias e os vídeos inseridos no artigo de que acima vos falo (dos quais vos deixo aqui o mais emblemático deles por ilustrar a forma como se dá as boas-vindas a quem nos visita) e, depois, conversamos de novo… comentem, manifestem a vossa opinião. Este espaço é para isso mesmo.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Acabaram-se...

As férias acabaram-se... com muita pena minha. Souberam a pouco (muito pouco mesmo). Cá estou, então, pronta para recomeçar!

Deixo-vos um álbum de fotografias (Porches e arredores - de Armação de Pêra ao Alvor). Espero que gostem.

Fica, também, uma fotografia do nascer do sol, hoje de manhã, no estuário do Tejo (a imagem que podia observar enquanto tomava o pequeno-almoço antes de vir para o trabalho)... a verdadeira fonte da minha inspiração.

Até amanhã.

Related Posts with Thumbnails